Avaliação psicológica

Método de avaliação do risco psicossocial – Avax PSI: como funciona?

A plataforma Avax PSI possui alguns diferenciais que auxiliam o(a) psicólogo(a) “guiando” seu trabalho e embasando seu raciocínio técnico:

  • Entrevista semi estruturada considerando as melhores práticas, nacionais e internacionais;
  • Alertas inteligentes a respeito do risco psicossocial e de sintomas clinicamente significativos: sintomas de ansiedade, sintomas depressivos, sintomas de estresse, sintomas de fadiga e problemas de sono, doenças crônicas não transmissíveis, vivência de acidente de trabalho, sintomas de estresse pós traumático relacionado a essas experiências, carência de treinamento para o enfrentamento dos riscos, entre outros. Estes “alertas” ajudam o(a) psicólogo(a) a compreender quais informações são mais importantes em relação ao caso, para determinar a aptidão ou não do(a) trabalhador(a);
  • Indicadores psicossociais AVAX Psi: resumo das informações sobre a relação do(a) trabalhador(a) com o risco. São eles:
  • Mapa de risco: é uma ferramenta emprestada da área de gestão na engenharia. Considera os riscos que foram relatados, sua probabilidade de ocorrência de prejuízo ou dano (desde rara até muito provável) e possíveis consequências à saúde (que podem ser desde insignificantes até catastróficas), caso algum acidente aconteça. A probabilidade de prejuízo ou dano, trazida pelo mapa, pode ser baixa, moderada, alta ou extrema.
  • Gráfico de riscos, vulnerabilidades e recursos: riscos se referem a combinação entre a probabilidade de ocorrência de um determinado evento e seus possíveis impactos. São contabilizados os riscos sobre os quais há exposição, relatados pelo trabalhador. Vulnerabilidades são situações ou características que podem favorecer a ocorrência de um evento negativo. Falta de experiência, sintomas depressivos e outras condições clínicas, falta de atenção e um ambiente hostil em casa ou no trabalho são considerados vulnerabilidades. Por sua vez, recursos são fatores de proteção para lidar com os riscos. Treinamento e apoio social podem ser considerados nessa categoria. O gráfico compara as frequências de cada um desses itens;
  • Escores de área: são como notas, que vão de 0 a 10 – sendo 0 a pior nota e 10, a melhor. Para estimar esse número, são considerados recursos, vulnerabilidades e riscos relatados pelo(a) trabalhador(a). Através destes escores, que avaliam aspectos relacionados à saúde física e mental, rede de apoio social, eventos vitais que podem impactar no trabalho, como um processo de luto, por exemplo, o(a) psicólogo(a) consegue ter uma visão mais precisa e aprofundada das áreas nas quais o(a) trabalhador(a) está mais vulnerável ou possui mais recursos;
  • Índice psicossocial: expresso através de um número que vai de 0 a 100, considera, em seu cálculo, os recursos, vulnerabilidades e riscos apresentados pelo avaliando. Quanto mais próximo de 100, mais apto o trabalhador está para enfrentar os riscos aos quais ele(a) está exposto(a). Esse índice fornece mais segurança ao(à) psicólogo(a) no momento de definir a aptidão(ou não) do trabalhador. Desta forma, o critério de conclusão da avaliação psicológica se torna mais objetivo e menos intuitivo, garantindo ainda mais a preservação da vida dos(as) trabalhadores(as).
  • Relatórios populacionais de “alerta” e “aptidão”. É possível extrair relatórios da população avaliada, permitindo uma visão global dos riscos psicossociais. Por exemplo, é possível analisar quais são os principais fatores de risco que apareceram em determinada população, qual o percentual de trabalhadores aptos e inaptos. Assim, o(a) psicólogo(a) consegue fazer uma entrega que vai além do “laudo” e, com um relatório mais completo, ajuda a empresa a geri-los de forma mais eficiente.
CEO da Bee Touch, startup de saúde mental. Co-criadora da AVAX PSI. É entusiasta do fortalecimento da Psicologia como ciência e inovação na área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *